domingo, 28 de maio de 2017

Indefinida saudade


A saudade eu não defino,
sinto-a em mim...
Sabor agridoce que em meu peito
se forma...
São retalhos de alegrias costurados
às tristezas...
São sombras esbranquiçadas que me
turvam a visão...
Mas são momentos únicos, que eu
trago no coração...
A saudade é mensageira, traz
diferentes recados...
De amores que são presentes,
de outros que são passados...
De recordações alegres,
ou de momentos tristes...
Mas, não tem nenhuma diferença,
não deixam de ser saudade...

(Cecília-06/2009)

código de texto: T1638714

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Oração


Senhor Deus...
Preciso muito lhe falar,
Um turbilhão de pensamentos,
Estão a me atormentar.
Meu coração está doente,
Carente da tua força, Senhor!
Quero entender tantas coisas.
Porque minha alma está ferida...
Porque o mar se alojou nos meus olhos...
Porque meu riso foi embora...
Porque meu canto é tão triste...
Se canto pra te alegrar?
Sei que tudo é pela tua vontade.
Sei que não há caminho sem volta...
Que todo mar tem gaivotas...
Que todo verso tem rimas...
Sei que toda tribulação, que me foi imposta
somente eu posso passar.
Não posso ser hipócrita, pedindo-te
pra carrega-las pra mim.
Então me ajude Senhor!
Revigora-me, com teu amor infinito,
Cuida das minhas feridas,
Cuida do meu coração.
Não permita jamais,
Que eu esmoreça ou que eu me esqueça.
Que é a tua brisa, que seca meu pranto.
Que é o teu sol, que me dá calor.
Que é o teu amor, que fortalece a minha dor...
Amém!

(Cecília-04/2007)

Código de texto: T1083276

Cartas de amor!

 

Cartas de amor...
Quantas eu já escrevi, quantas eu já li
e quantas eu joguei fora,
sem coragem de enviar pra você.
Foram tantos sentimentos expressos.
tantas palavras de amor.
Foram tantos, beijos não dados,
que ficaram registrados.
Em simples folhas de papéis,
que hoje estão guardadas.
No fundo de uma gaveta.
amareladas pelo tempo.
Diante de uma folha em branco,
tomamos coragem pra confessar
nossos sentimentos escondidos.
Onde damos vazão aos nossos
desejos mais secretos.
Cartas de amor...
Quantas estão atadas com fitas vermelhas.
Representando meu coração solitário.
Com a falta do seu amor, 
quantas estão marcadas pelo meu pranto.
Foram tantas cartas de amor.
Foram cartas lindas.
Foram cartas tristes.
Foram cartas solitárias.
Foram tantas cartas.
E tão inutilmente escritas...

(Cecília-06/2007)

Código de texto: T1071501

domingo, 21 de maio de 2017

Crepúsculo...



Sou um barco carregado de crepúsculos.
Que avança serenamente mar a dentro.
Entregue ao sabor do vento, te procura.
Sou bater de asas transparentes.
Sou noite, sou lua, sou sol, sou chuva.
Sou fração de pensamentos.
Sou nuances no céu de anil.
Sou nuvens soltas a correr livremente.
E nesse mar brumoso, sou somente uma
alma a peregrinar.
E na manhã que o dia trará, sou um raio de 
sol a espargir fulgores.
E nesse imenso mar, sou um naufrago a chorar.

(Cecília-04/2008)

Código de texto: T1344279

sábado, 20 de maio de 2017

Conto as ilusões




Conto o tempo que passou, nas contas do rosário.
Conto as gotas de orvalho, que repousam nas folhagens.
Conto os dias e os meses, virando o calendário.
As horas e os minutos, observando o relógio.
Conto as folhas de outono, enquanto o vento não sopra.
Antes que o céu entristeça e deixa tudo tão cinza.
Antes que a chuva caia apagando os vestígios,
Conto cada gota d'agua respingado na vidraça.
Conto os sonhos e as alegrias, misturados com o tempo.
O orvalho e as ramagens, mesclados com a chuva.
As gotas de chuva, misturados com as lágrimas.
Juntei tudo e descobri, que tudo o que contei
tem muito mais de mim do que imaginei.

(Cecília-SP/08/2013)

código de texto: T4452390

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Faz frio...






Faz frio...
Meu quarto está gelado.
A vidraça está embaçada,
nela posso escrever seu nome.

Faz frio...
O céu está entristecido.
A estrela perdeu seu brilho.
Não sei onde está você.

Faz frio...
O vento canta triste melodia.
A folha perdida dança sozinha,
a canção do nosso adeus.

Faz frio...
Tudo é sombrio e sem graça.
Meu coração está sozinho.
Como a ultima estrela que se 
apagou lá no céu.

(Cecília-06/012)


Guardarei pra sempre...



    Guardarei você dentro do meu coração,
    como quem guarda o mais belo tesouro.
    Todas as emoções sentidas, todas as
    lembranças vividas.
    Os pensamentos difusos e confusos,
    não importa, guardarei também.
    Guardarei os risos de alegria, as
    lágrimas de tristeza.
    Todas as sensações, e emoções.
    Guardarei pra sempre você dentro
    do meu coração.
    Pois passastes em  minha vida como
     um brisa perfumada, e quando fostes,
    deixastes seu perfume impregnado em mim.
    Fostes pra mim, o sol de um lindo dia.
    A chuva fina, nas manhãs de verão.
    Fostes meu calor, nas noites de inverno.
    Fostes todas as flores na primavera.
    Fostes uma chuva de pétalas no outono,
    cobrindo de amor meu coração.
    Não importa  que o tempo voe,
    não importa que a vida passe.
    Meu amor por você será como as estações
    do ano, que nada muda, nada apaga.
    Passam, mas se renovam, e nas renovações
    se intensificam muito mais.
    Assim você será pra mim...
    Cada estação do ano, estará mais presente
    em minha vida, e muito mais  no meu coração.

   (Cecília-12/2007)

Código de texto: T2129947