domingo, 20 de maio de 2018

Os sonhos...




Ah! os sonhos...
Tão cobiçados...
Tão guardados...
Tão perdidos...


Ah! os sonhos...
Tão desejados...
Tão esperados...
Tão divididos...


Ah! os sonhos...
Tão sonhados...
Tão vividos...
Tão doídos...


(Cecília-05/2018)
Código de texto: T6341793

                           

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Sou folha de Outono...


Voo sem destino, sou folha ao vento, 
calada, apenas rodopiando.
No Outono as folhas coloridas se agitam, 
rolam no chão sem destino.
Nos braços do vento me entrego
levo comigo a minha alma.
Cansada, combalida, quase morta 
sem forças para resistir.
Quedo-me às horas silenciosas do Outono, 
quando as folhas caem delicadas e
no meu coração cai a saudade.
A vida encena cânticos de vento nos arvoredos.
As folhas rodopia sem parar.
Em mim renova-se a esperança, 
na terra sob folhas secas, 
renova-se a vida.
O Outono traz um quê de tristeza 
misturado ao vento que sopra.
Dá pra ouvir a delicadeza da sua voz,
do começo ao fim das folhas de Outono.
As folhas voam , rodopiam antes de cair, 
é para desenhar no tempo a brevidade 
das nossas vidas.

  
(Cecília-06/2009)
Código de texto: T1666066

Procuro o caminho...


São inúmeros os caminhos.
Caminhos de flores, caminhos de pedras, 
salpicados de estrelas ou
simplesmente caminhos.
Preciso encontrar o caminho que me conduza 
ao paraíso, onde é sua morada.
Mas esse caminho, está além do meu alcance.
Você apagou seus rastros, e eu me perdi.
Me perdi num coração entristecido, 
me perdi numa saudade profunda. 
Me perdi na sua invisível presença, 
numa enganosa ilusão.
Numa quimera que alucina a minha visão.
Preciso encontrar o caminho pra
 poder alcançar meu horizonte.
Procuro verdades sem palavras,
pois sei que elas existem.
Bem sei que pra você, não existe mais esse mundo,
não existe mais esses caminhos.
Você se eternizou... 

(Cecília-05/2007)
Código de texto: T1117914

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Quadras poéticas...



...Quando em mim é inverno 
de nada me adianta agasalho.
Por fora minha pele está quente mas, 
por dentro, minha alma está gelada...

(Cecília-10-2013)
Código de texto: 4529495

Porque partiste?



Fico a pensar por que partiste?
Será que ficaste triste também?
Eu me sinto triste sem você, 
sem teu carinho que me fazia bem.

As flores que me deste secou mas,
o perfume guardei para mim.
Pela janela aberta, sopra o vento
e me trás lembrança triste assim.

A música que ouço soa triste, 
aos meus ouvidos palavras distantes.
Tão distante igual você para mim,
que me sinto nesse mundo tão erante.

O tempo encarregou-se de dizer-me
por que partiste mas, custo a acreditar.
Sei apenas que o amor não merece
de quem se ama, tão longe ficar.

(Cecília-10/2013)
Código de texto: T4536792

terça-feira, 27 de março de 2018

Sentimentos...


Revolvi meus sentimentos
encontrei tudo que te dei.
O amor que nunca morreu.
A ternura inquebrável.
O beijo cheio de ternura.
O abraço interminável.
A risada mais alegre.
O adeus que machucou.
A saudade que ficou de
Outonos que se foram.
Encontrei a esperança 
que brota nas Primaveras
trazendo sonhos floridos.

(Cecília-03/2018)
Código de texto: T6292088

segunda-feira, 26 de março de 2018

Amo-te...


Amo-te, de forma variável e infinita.
Amo-te, quando sinto alegria irestrita.
Amo-te, quando a vida passa calmamente.
Quando o vendável, se torna ameno.
Quando a lua brinca de clarear meus pensamentos.
Amo-te, quando minha alma te procura em disparada.
Amo-te, quando o inevitável acontece.
Amo-te, quando o inesperado me desnorteia.
Amo-te, quando minha mente te busca e te encontra.
Quando a saudade chega mansamente.
Quando a recordação é eterna.
Amo-te, de maneira inexplicável.
Amo-te, nos meus sonhos acordados.
Amo-te, quando a noite envolve-me sonolenta.
Amo-te profundamente, quando nossas almas 
se abraçam no infinito.

(Cecília-09/2010)
Código de texto: T2499205