segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Auto-retrato...

 
Sou um momento de lucidez.
Sou um retrato pendurado, que eu mesma traço.
Usando todos os traço, que um dia me fez 
de estrutura própria.
Traço à traço eu me refaço, refaço meu mundo.
Junto os sonhos viajantes, minhas lembranças marcantes.
Às vezes não sei se sou nuvem, ou anjo.
Às vezes as recordações são tantas.
Que traço coisas que existiram, ou que nunca existirão.
E cada traço que faço, a semelhança 
se aproxima da minha face.
Vejo-me, num quadro feito em traços, 
pendurado na parede.

(Cecília-09/2010) 
Código de texto: T2484151

Carícia do vento...




O vento veio de mansinho,
pelo mesmo caminho por 
onde a saudade passou.
Veio com calma e ternura
trazendo perfumes das
flores que encontrou.
Veio sussurrar ao meu ouvido 
palavras lindas, que nunca esqueci.
Veio dizer que o amor é uma chama eterna 
que nunca se apaga.
Que o mundo dá muitas e muitas voltas 
e tudo começa, onde um dia terminou.


(Cecília-08/2017)
Código de texto: T6083344

sábado, 12 de agosto de 2017

Deixo pra você...



Deixo pra você meu sorriso, 
pra iluminar sua vida.
Deixo meu coração adormecido, 
pra você sonhar comigo.
Deixo um capitulo da minha vida, 
pra você continuar a história.
Deixo numa caixinha guardada, 
a fé e a esperança e o amor.
Pois enquanto houver a fé, espernça
 o amor há de existir sempre.
Deixo confiança, e perseverança,
E por onde andares, 
seus passos serão ouvidos.
Deixo uma linda melodia, 
para te fazer companhia.
Deixo o orvalho das manhãs, 
pra enfeitar seu jardim.
Deixo o dourado do sol, e o arco-íris, 
pra você retratar com aquarela.
Deixo meus versos escritos, 
pra nunca ser esquecida.
Deixo uma gota de lágrima, 
pra brilhar no seu sorriso.
Deixo o meu amor, 
pra você sempre lembrar.
Que mesmo distante, 
nunca vou deixar de te amar!

Cecília-07/2008)

Código de texto: T1106683

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Manhã chuvosa...

 


Manhã fria e chuvosa…
Ouço seu tilintar na vidraça.
São como vidros quebrados
ferindo meu coração.
Passa o tempo, passa as horas...
A melodia prossegue.
É como uma orquestra saudosa,
tocando acordes pra mim.
A brisa está gelada…
Gelando minha alma e minhas mãos.
São como tufos de gelo embalados de ilusão.
Na vidraça nada vejo…
Tudo é frio e chuvoso, 
é como uma alma solitária
trajando vestes sem cor.

(Cecília-07/2012)

código de texto: T3780704

Quero ser pra você...


Quero ser o sorriso.
Quero ser a paz.
Quero ser o amor.
Pra poder te amar.

Quero ser o sol pra te iluminar.
A água límpida pra te saciar.
Caminhos de flores pra você pisar.
Braços abertos pra te abraçar.

Quero ser o lado bom da vida.
A paz que te tranquiliza.
O sono que te acalenta.
A palavra que te consola.
Ser o amor eterno.
E morar no teu coração.

(Cecília-05/2007)

Código de texto: T3801741

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Mais que ontem...



Hoje mais que ontem descobri,
que não consigo viver sem você!
Hoje mais que ontem descobri,
que entre nós existe uma distância.
Distância entre nossas bocas coladas,
entre nossas línguas entrelaçadas.
Distância entre meu coração e o seu.
distância entre nossos corpos,
salpicados de desejo e suor.
Descobri que a distância maior que
existe entre nós.
É uma incandescente vontade de juntar
os nossos corpos num sensual bailado.
Que a distância que se interpõe entre nós,
é simplesmente peles aveludas se roçando.
Descobri que a distância entre nós,
está ao alcance de nossas mãos.
Que tateiam explorando cada detalhe.
É o sussurrar no ouvido,
deixando estonteante a imaginação…
Hoje mais que ontem descobri,
que a distância entre nós é nada.
É simplesmente a maciez dos seus lábios,
a beijar-me com sofreguidão.

(Cecília-09/2008)
Código de texto: T2715785

sábado, 5 de agosto de 2017

Esquecimento



Meu coração me avisa que jamais
 haverá o esquecimento.         
Pois enquanto sua imagem povoar meus pensamentos.
Enquanto eu pensar em você, sentir sua ausência
e amar você, não haverá esquecimento.
Enquanto eu puder sonhar e puder sorrir.
Enquanto existir saudades, e existir recordação.
Não haverá esquecimento.
Quando meus pensamentos não mais te chamar.
A saudade não mais machucar 
e as lágrimas não mais caírem.
Quando o amor acabar e eu, não mais te amar.
Haverá então o esquecimento...

(Cecília-09/2010)
Código de texto: T2512513